Pólos da Lacoste que ajudam a salvar espécies ameaçadas

“O crocodilo”: foi assim que, graças à sua tenacidade no court, o campeão de ténis francês René Lacoste foi apelidado em 1927. Mais tarde, quando a Lacoste foi fundada enquanto marca em 1933, o crocodilo tornou-se, aliás, símbolo de elegância casual, mas também da vontade e do compromisso que desde então investe em cada ação que promove. Agora, junta-se à União Internacional para a Conservação da Natureza (UICN), apoiando a campanha SOS – SAVE OUR SPECIES, para ajudar a garantir a sobrevivência a longo prazo de espécies ameaçadas, dos seus habitats e das pessoas que deles dependem.

A marca francesa criou uma coleção de dez pólos, onde o icónico crocodilo cede a sua histórica posição a 10 das espécies mais ameaçadas do mundo: a vaquita ou marsuíno-do-golfo-da-califórnia, a tartaruga de Myanmar, o lémur-desportivo-do-norte, o rinoceronte-de-java, o gibão-negro-cristado-oriental, o papagaio kakapo, o condor-da-califórnia, o saola, o tigre-de-samatra e a iguana de Anegada. De edição limitada (1755 pólos no total, disponíveis exclusivamente online), o número de exemplares para venda de cada modelo corresponde à dimensão da população restante no seu habitat natural, conforme é estimado pelos especialistas da UICN.

Cada pólo vendido apoia a UICN na luta pela conservação da vida selvagem no mundo.

Vaquita

A vaquita, ou marsuíno-do-golfo-da-califórnia, é um cetáceo solitário que gosta de nadar tranquilamente em águas pouco profundas. Pesa, em média, cerca de 48 kg e mede 1,5 m. É uma espécie criticamente ameaçada, porque fica presa nas redes de pesca de camarão e acaba por se afogar.

Desenho de uma Vaquita. © Aquarium of the Pacific.

Tartaruga de Myanmar

O futuro desta tartaruga de água doce, nativa da Birmânia e espetacularmente colorida, está bastante ameaçado. A recolha de ovos para consumo local e global é desenfreada, os locais de nidificação são facilmente previsíveis e os períodos de reprodução fixos tornam a espécie vulnerável à extinção. Para além disso, conta com o homem como seu principal predador.

Lémur-desportivo-do-norte

Este primata da família dos lémures mede pouco mais de 50 centímetros, com uma cauda de 25, e pesa cerca de 800 gramas. Pode ser encontrado nas florestas secas do norte de Madagáscar. A caça furtiva intensiva e a destruição do seu habitat para cultivo tornam-no numa espécie em risco de extinção.

Fotografia de Edward E. Louis Jr.

Rinoceronte-de-java

Os rinocerontes de Java são animais raros, discretos e solitários. Apenas encontrados na Indonésia, sob protecção da Unidade de Protecção de Rinocerontes, habitam tanto em planícies como em floresta tropical. Estão em perigo devido à sua baixa taxa de reprodução, bem como à intensiva caça furtiva por causa dos seus chifres.

Gibão-negro-cristado-oriental

Este macaco com um nome engraçado é um dos mais raros do mundo. Apesar de pesar entre cinco e dez quilos, o gibão-negro-cristado-oriental balança-se entre ramos com grande agilidade. Este gibão pode ser encontrado numa floresta na fronteira entre a China e o Vietname, onde a desflorestação ameaça o seu habitat e, consequentemente, a sua sobrevivência.

Papagaio Kakapo

Este papagaio nocturno que não voa, nativo da Nova Zelândia, tem penas amarelas, verde musgo e castanhas. Pode medir até 60 centímetros e pesar até quatro quilos. O kakapo masculino produz um estranho som para atrair as fêmeas, que pode ser ouvido até cinco quilómetros de distância. É uma espécie em extinção por causa da sua baixa taxa de reprodução e à presença no seu território de predadores, como gatos domésticos.

Fotografia de Dianne Mason (2009) no Flickr.

Condor-da-califórnia

Também conhecido como “Thunderbird”, o condor da Califórnia é um animal que pode chegar aos três metros, sendo por isso o maior pássaro voador da América. A sua cabeça calva é laranja avermelhada, enquanto seu grande corpo é coberto por penas negras e umas quantas penas brancas debaixo das asas. A sua sobrevivência é ameaçada pela intoxicação do seu habitat natural por chumbo e lixo.

Saola

Estes herbívoros tímidos e solitários levam uma vida tranquila nas florestas e montanhas do Vietname e do Laos. Mas a sua sobrevivência está ameaçada por causa da caça intensiva, que torna a saola um dos únicos grandes mamíferos em perigo crítico de extinção.

Tigre-de-samatrA

Este carnívoro, que pode pesar até 100 quilos e medir até dois metros de comprimento, vive na Indonésia. É geneticamente distinto dos outros tigres territoriais e constitui uma subespécie em si mesma. Hoje em dia, as principais ameaças que enfrenta são a caça furtiva e a desflorestação, que reduz o seu habitat natural.

Fotografia de Jakob Owens no Unsplash.

Iguana de Anegada

Esta iguana, nativa da Ilha Virgem Britânica de Anegada, é um herbívoro que pode pesar até seis quilos e medir mais de 60 centímetros. Vive na floresta seca tropical e desempenha um papel fundamental na manutenção desse ecossistema. Infelizmente, a criação de gado e a agricultura reduzem o seu habitat e os gatos selvagens e os cães acham-na bastante saborosa.

DICA: Clique em cima das fotografias para ver com melhor qualidade.

Comenta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.